Criminalistas divergem sobre interferência da Corte Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) no mensalão

Advogados abordam o não desmembramento do processo do mensalão.

Recentemente, Eduardo Azeredo renunciou ao seu mandato de deputado Federal e, com isso, a AP 536, que trata do mensalão mineiro, pode ser desmembrada.

Os criminalistas Sérgio Leonardo (Marcelo Leonardo Advogados Associados), Fábio Tofic Simantob (Tofic e Fingermann Advogados), Eduardo Muylaert (Muylaert, Livingston e Kok Advogados) e Antonio Ruiz Filho (Ruiz Filho e Kauffmann Advogados Associados) abordam, em entrevista à TV Migalhas, a manutenção do processo do mensalão petista no STF e a possibilidade de um novo julgamento do caso na CIDH - Corte Interamericana de Direitos Humanos.

Veja o vídeo: